segunda-feira, janeiro 28


Eu já tinha me convencido que não abriria mais a porta para esses sentimentos que bagunçam meu raciocínio, se acumulam em minhas insônias, percorrem meus sonhos e formam curvas doces sobre meus lábios. Paixão é perigosa, menino. Passei a chave e fechei o cadeado porque acreditava que se ela aparecesse e sumisse eu teria que arrumar o peito sozinho, pôr os meus livros na estante juntamente com os pedacinhos de meu coração. Mas em um momento de descuido eu abri a porta, fui sentir a brisa e antes que minha mão alcançasse a maçaneta de volta, me encontrei no verde dos olhos que me serviam como luz. E foi aí que minha pele se encontrou iluminada pelo sorriso e minhas suspirações se lançaram sobre o rosto dele. Você está apaixonado, menino. Então logo logo o apreço virou o abraço, a vontade se transformou em beijo, as declarações ser tornaram promessas. O sentimento afirmou fidelidade. Mas por agora devo dizer que estou feliz, caso não tivesse aberto a porta empoeirada não descobriria o contentamento que hoje conheço e compartilho com ele. Torço para que seja assim enquanto a chama aquece nossas expectativas, o afeto estreita os laços, torço também para me perder cada vez mais nos campos verdes do olhar daquele a qual pertenço… Porque da escuridão e da solitude eu já compreendo bem e estou convicto de que ele é o sol em minha noite. 
 Paulo Justiniano.