segunda-feira, janeiro 28

Cora Coralina uma vez escreveu “coração é terra que ninguém vê” e eu, com toda minha pequenez, talvez tenha entendido o que ela quis dizer. Porque é um espaço pouco explorado e esse músculo nada voluntário - em todos os sentidos possíveis - traz consigo um mistério tamanho, fruto da nossa incapacidade de compreendê-lo e enxergá-lo. Definitivamente, é uma terra que não dominamos, não conhecemos e n
ela há uma série de esconderijos que até o mais valente dos homens se recusaria a entrar. No entanto com o tempo nós começamos a andar por esse solo escuro e inquieto e conseguimos decifrar alguns segredos que ele reservava. Por exemplo, que ele é grande o suficiente pra abrigar letras de música, amigos e familiares, mas pequeno e frágil na hora de aguentar a dor da saudade. Que ele se entrega para o primeiro sorriso e pula como um louco quando acha que está certo, mas quando percebe que está errado se lança em um mar de choro e tristeza. Descobrimos também que ele é burro, porém generoso, que guarda um talento incrível, mas também adora um drama. Basicamente eu acho que o coração é só mais uma daquelas coisas que não tem como você ver, mas é possível sentir. É só caminhar com cuidado, fazer silêncio e prestar atenção, aí quem sabe um dia você e ele se entendem e viram amigos de uma vez.
 Paulo Justiniano.